quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Gritei ao mar








Gritei ao mar …
Em tom de súplica,
Em noite escura,
Pedi brandura
Num mar de Outono
De azul verdura.
Deu-me o seu sal,
Aguas nubladas,
Olhos salgados,
Ondas enormes,
Braços cansados.
Gritei de novo…
- Ó mar poderoso…
Dá-me um só barco
Que me leve ao lar
Da alma esquecida
Pelo verbo Amar.

E o mar respondeu-me:

- A alma em si mesma
Terá de navegar,
para se encontrar!


Ana Cláudia Albergaria

1 comentário:

O Profeta disse...

Porque será que os pássaros
Cantam na partida do dia
Porque será que um amante ausente
Fica de alma apertada, vazia?

Porque será que as ondas lamentam
Em sussuros de sal no areal
Porque será que as rezas são feitas
Para correr para o longe o perverso mal?


Boa semana


Doce beijo