sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011














(Imagem: pintura de ana homem de albergaria)



Quero a paz da criança que dorme
Sem saber das guerras,
E da mãe que cria o filho
Sem medo da fome e do frio
Sem procuras nem esperas.
Quero a paz de uma igreja
E de um coral a cantar.
A paz de um crente em Deus
Que une as mãos a orar .
Quero a paz que nasce aqui
Neste grito mudo ao mundo
A Paz que ficou suspensa
Numa estalactite branca
De um sonho bem profundo.
Quero a paz de outra vida
De um passado ancestral,
Da vida que regressa á vida,
Da memória universal!





ana homem de albergaria

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Minha irmã




















Só eu sei
Desta dor que me devora a alma
De não ser capaz de te dar um poema.
Um poema verdadeiro, Sabes?
Daqueles em que as palavras voam
Livremente pelo passado,
E regressam a nós pela brisa da saudade.
Sim, saudade,
Essa senhora altiva e sofredora
Que viaja na máquina do tempo,
Sem envelhecer,
Sem se render,
E te trás de novo para mim,
Rompendo o silencio
Que te fez cedo adormecer.
A morte não venceu!
Não vence nunca quando luta
Com um coração repleto de amor,
Como é o teu!
Ela apenas adormeceu contigo
E quando acordar não te vai ter!
Será apenas a morte da nossa dor
Que vai ver-se a si própria morrer!
Hoje sinto o peito apertado.
Um remorso antigo,
Me faz chorar agora.
Mereces tanto este poema,
Que não se deixou escrever
Em décadas sem ti,
Tendo-te aqui,
Bem no centro do meu querer.
Fazer um poema para ti
É como querer guardar o mar
Num frasco de perfume,
Ou querer apagar um fogo
Acendendo outro lume.
É dizer que te amo hoje mais,
E é mentira!
Porque te amei sempre assim
Desde épocas ancestrais…
Desde aquele Outono
Da tua juventude.
Desde o Adeus ao teu filho,
Desde o nascer dos nossos pais.
Porque Foste fé…
Na infância do sonho mais puro
Desenhado na esperança de um filho.
Promessa doce, de um doce futuro.
Minha querida irmã…
Água cristalina de um rio sempre a correr,
Oásis num deserto quente,
Onde floresce a sede da vida por viver.
Queres ficar neste poema?
Assim… tão simplesmente desnudado,
Como o meu sofrer?
Eu quero ficar contigo,
A voar nas palavras
Que não chegam nunca
Para te descrever…



Ana Homem de Albergaria