terça-feira, 4 de agosto de 2015

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

NOITE DE FIM DE ANO




 










O dia nasceu como outro qualquer
Menos luminoso, talvez,
Menos esperançoso.
Mas quem passa por mim
Vai falando de um princípio e de um fim.
A noite irá vestir-se de traje de gala,
E de taça nas mãos brindarão,
Aos maiores desejos,
Com sorrisos debruados de ilusão.
E eu, que sei que este dia é um dia apenas
E que a noite será mais uma noite
Vou falando comigo mesma,
Sobre a normalidade das horas,
Sobre a repetição das esperas inúteis,
E sinto vertigens ao olhar o profundo espaço vazio.
Porque uma das taças que tenho na mesa
Não tem mão para me segurar.
E num equilíbrio esforçado
Levanto as minhas mãos aos céus
E agradeço-as.

ana homem de albergaria
31/12/2015

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

O nosso chá!






Está quase tudo preparado, mãe. A Chaleira está ao lume, o chá quase pronto.
Pus a mesa com aquele serviço antigo que era da avó, cheio de vestígios das vossas mãos que foram acrescentando importância ao fio de ouro que debrua as peças.
Tenho uma cadeira especial à tua espera. Vais ficar à cabeceira da mesa mãe, lugar que sempre mereceste e que nunca te foi reconhecido. Não te esqueças de trazer os teus poemas para lermos juntas. Se não quiseres cantar para mim o teu fado eu compreendo, falta muita gente na mesa, eu sei. Mas hoje preciso de estar só contigo mãe. Tenho tanto para te dizer de pequenos nadas que vou escrevendo e pintando nesta vida.
Tenho tanto para te escutar mãe. Vem falar-me desse infinito que me espera, que eu tanto anseio e que me tarda. Fala-me desse ser de luz que está a chegar à nossa casa, outra vez, mãe. Será, mãe? Será que volta o amor que se gerou no teu ventre para renascer agora, como dádiva, para nós?
Se soubesses a falta que me faz uma tarde contigo. Um abraço teu, o teu olhar de verde mar, as tua mãos. O teu amor.
O chá está pronto. Comprei os biscoitos com amêndoa, sei que gostas. Está tudo quase pronto mãe. Só faltas tu. Nem das violetas me esqueci. Já estão aqui!
Não demores, por favor. Vem lanchar comigo mãe, antes que anoiteça de novo o meu espírito e o universo te prenda numa escuridão qualquer.


 Ana homem de albergaria

domingo, 21 de dezembro de 2014

LETRAS ESQUECIDAS















Letras esquecidas num pensamento parado, forçam um equilíbrio ébrio, inconsequente. Olham o abismo de alto, inseguras. Incapazes de se fazerem palavra. Nada sabem de ser com outro ser. Nada sabem de ser mais que ser só. Nada sabem da razão de ser além de ser dor em solidão. Mas agitam-se para se tocarem em instantes de intuitivo desejo, efémera união. Atomizadas na sua inconsciência relacional, tornam-se inúteis. Apenas se iludem num narcisismo burlesco, exorcizando toda a intencionalidade de se agregarem em palavras saciadas de sentimentos. Nada sabem do fluido vital. Nada sabem do poema.



ana homem de albergaria

terça-feira, 20 de maio de 2014

DESISTIR?!

“DESISTIR" eis a palavra que pensei terem aniquilado no poço sombrio das tentações. Uma praga. Parasita que revisita e se aproveita sem pudor de quem a repele. Gládio do derradeiro duelo entre a força moribunda e a última esperança. Veneno de Sócrates dado ao animal que não se (re) conhecendo bebe, por ter sede, a cicuta fatal.

 ana homem de albergaria

sábado, 1 de fevereiro de 2014

INTIMIDADE













Intimidade

Habitáculo da existência, o interior, 
onde se molda a forma da vida, em colos de recolhimento. 
Paredes que falam de toques de mãos construtoras de possíveis.
Fés condutoras de valores que ficam impregnados nas cores indefinidas dos mistérios. 

Casas paradas no movimento do tempo.Tradições que gritam em silêncio. 
Segredos desvendados pela espátula, que acrescenta cor raspando a tela da humanidade.
É lá dentro que nos despimos “dos outros” e vivemos a liberdade (i)limitada do “Eu”,
que se reencontra no voo do olhar que se desprende do beiral de uma janela com grades; num jardim babilónio; num mar de sentimentos mesclados de verdes azuis esperança.
E, quantas vezes, no cinza e no preto da dor de “ser” tão-somente abandono, esquecimento.
E vivemos o movimento de olhar de dentro para fora, maiêutica socrática, busca da verdade!
Procura do nosso lugar, imersão no “Ser” mais profundo.
Intimidade que sendo só nossa, constrói ela mesma a história do mundo!

ana homem de albergaria
Março/2013