terça-feira, 24 de novembro de 2009

O TEU POEMA


















O teu poema…

Chegaste na alvorada
Que o futuro não esperava,
Trazias no peito
O poema da vida,
Bússola de prata
Para a estrada perdida.
Na mão um cajado,
Feito do passado
Narrado por
Um relógio qualquer.
E o tempo abrandou…
E falamos
Do que fomos,
E do que somos “sós”.
Recebi de ti
O som do violino
Que trazias na voz,
Em cada despertar,
Em cada adormecer,
Estavas lá!
Como um juramento
Que se faz em silêncio…
Cantamos a promessa de um abraço
Que Ficou suspenso
Nas palavras dos Poetas
Que vieram contigo,
Para aliviar meu cansaço.
E não chegou o abraço,
Porque a noite caiu
Antes de o sol nascer
As flores secaram
Antes de florescer.
Os relógios pararam.
E os livros abertos
Desfolhados por nós…
Vão sempre falar
Do quanto estamos sós,
E do quanto renasci
No instante efémero
Em que te (re) conheci,
Meu Amigo Eterno.
E tudo o resto…
Que não se disse
Que não se leu
Que não se partilhou
Tudo o que faz de mim
O que hoje eu sou,
Fica dentro de nós,
Em lugares mágicos
Por onde tu andas
E para onde eu vou!


ana claudia albergaria

1 comentário:

Só Eu (Ricardo) disse...

Olá
Ana Claudia Albergaria = Aquarela?
De qualquer forma os meus parabens pelo belissimo poema.
É bom passar por aqui
Beijinhos
Ricardo